DIRECTOR: JORGE LEMOS PEIXOTO  |  FUNDADOR: JOAQUIM LETRIA

É fácil viver de olhos fechados. Tudo corre bem, e se não for o caso temos sempre desculpa: “Peço desculpa, sou ceguinho”. Há sempre forma de se fazer de coitadinho. Com pena saímos de todos os problemas.

Basta ver que a melhor forma de conseguir algo é com a pena. No mundo em que vivemos a ‘cegueira’ resolve tudo. Se se enganarem, mas “ai, foi sem querer” parece que já fica resolvido.

Desculpamos sempre. A pena pelo engano distorce tudo. Então porque é que nos justificamos sempre com a nossa falta de pensamento, a nossa ingenuidade, fazendo com que não se aprenda?

Com isto chegamos a um ponto em que nesta sociedade ninguém pensa, porque pensar causa ansiedade, não nos deixa viver. Voltamos ao início: fechamos os olhos a tudo por medo de não conseguirmos algo, sentimo-nos confortáveis e aconchegados, e morremos na nossa escuridão.

No escuro a culpa é da falta de luz, não da falta de pensamento. Na vida há sempre sol (mesmo quando este brilha na lua). Se algo falta é mesmo a vontade de abrir os olhos.

De olhos fechados,

João Faria